Amigos

A PAZ DO SENHOR...

Seguidores

Você Está Buscando...

Página Gospel10

Página Gospel+

RSS atualizado do Gospel +. Powered by Notícias Gospel

sábado, 13 de fevereiro de 2010

O Ministério da Reconciliação

LIÇÃO 6 - O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO – 1º TRIMESTRE DE 2010

TEXTO ÁUREO
"E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação" (2 Co 5.18).

VERDADE PRÁTICA
O ministério da reconciliação consiste, fundamentalmente, na proclamação da obra expiatória do Senhor Jesus Cristo.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
2 Coríntios 5.14,15,17-21
14 - Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo, todos morreram.
15 - E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou.
17 - Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.
18 - E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação,
19 - isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação.
20 - De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamos-vos, pois, da parte de Cristo que vos reconcilieis com Deus.
21 -Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus.

SUBSÍDIOS PARA O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO
Palavra-chave: Reconciliar - do grego katallassō, sugere a ideia de trocar, mudar (neste caso específico, a inimizade com Deus está sendo trocada por relações pacíficas).

Reconciliação
     As palavras no NT significando reconciliação são todas baseadas na raiz grega allag, com diferentes prefixos preposicionais, e o mais comum deles é kata. O significado etimológico é “mudança”, mas o uso sempre inclui a união de duas ou mais partes pela renovação de bases ou causas de desarmonia. A reconciliação é necessária para por fim à inimizade existente.
     A doutrina da reconciliação está relacionada com a restauração da comunhão entre o homem pecador e Deus, o Santo Criador, através de Jesus Cristo, o Redentor. Por causa de suas más ações, o homem é declarado inimigo de Deus (Rm 5.8; Cl 1.21; Tg 4.4). Teólogos liberais que negam a satisfação penal, propiciatória e substitutiva da justiça divina pela provisão objetiva da expiação, mostram que no NT Deus nunca é o objeto da reconciliação. Eles negam a necessidade da vindicação da justiça divina, e insistem que tudo que é necessário para a reconciliação entre Deus e o homem é uma mudança no homem . Eles se opõem ao grande hino de Wesley: “Eleve-se, Minha Alma”, e especialmente às palavras “Meu Deus está reconciliado”.
     O fato de o pecador ser aquele que precisa ser reconciliado com Deus (2 Co 5.20) não constitui um argumento contra a necessidade da propiciação em relação a Deus. Isto deveria ser evidente a partir de uma das passagens do NT, na qual a palavra é usada em um sentido não-soteriológico. Em Mateus 5.23,24, aquele a quem Deus ordenou que se reconciliasse com seu irmão era o ofensor contra quem o irmão tinha uma queixa. A única reconciliação possível era através da remoção objetiva da queixa ou a satisfação da justiça.
     Há uma mudança na atitude de Deus quando o pecador é reconciliado com ele. Este é abundantemente evidenciado pelas muitas Escrituras que declaram a ira de Deus em relação ao pecador não arrependido, e a remoção de sua ira quando o pecador é justificado (veja, por exemplo, Jo 3.36)
     Talvez um motivo pelo qual os escritores bíblicos falam do homem como o objeto da reconciliação, seja que na mudança da ira para o favor, o amor de Deus e seu caráter ético não mudam. Sua natureza santa é imutável. As passagens centrais que apresentam a doutrina da reconciliação são Romanos 5.8-11; 2 Coríntios 5.18-21; Efésios 2.16-18; Colossenses 1.20-22. Em cada caso, a natureza objetiva e propiciatória da expiação é claramente indicada.
Embaixadores 
     Porque somos chamados de embaixadores de Deus? (2 Coríntios 5:11-21). Os cristãos representam o reino de Deus. Um embaixador é um representante oficial de país para o outro. Como crentes, somos embaixadores de Cristo, mandados com a sua mensagem de reconciliação com o mundo. Um embaixador de reconciliação carrega uma responsabilidade importante. Quão bem você está cumprindo essa incumbência como embaixador de Cristo? Os cristãos representam a Deus. Deus chamou Moisés para ser o seu embaixador. Um embaixador representa um outro país, um outro tipo de pessoas e, frequentemente, um outro ponto de vista. Cada um de nós é um embaixador de Deus - representando para o mundo que os cristãos são um tipo diferente de pessoas com um estilo de vida diferente. Boa parte do mundo não sabe nada sobre Deus, exceto o que vê na vida do povo de Deus. Que tipo de Deus eles acham que você representa? Quando você para para notar o que os outros acham de você, você consegue ter uma boa ideia de como você tem representado Deus (Dicionário Bíblico Wycliffe. 1.ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, p.1654; Ilúmina- A Bíblia do Século XXI).

GRAÇA DOMINICAL
A Volta Para Casa
Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo ( 2 Co 5.19.

          O caminho mais famoso no mundo, é a Via Dolorosa, «a vereda da tristeza». Segundo a tradição, é a rota que Jesus percorreu do palácio de Pilatos até o Calvário. A rota está marcada por estações usadas freqüentemente pelos cristãos para suas devoções. Uma dessas estações marca a passagem do veredicto de Pilatos.
          Outra, a aparição de Simão para ajudar a levar a cruz. Duas estações recordam as quedas de Jesus e outra, as Suas palavras. No total, há quatorze estações, cada uma recordando os acontecimentos da caminhada final de Cristo. É a rota verdadeira? Provavelmente não. Quando no ano 70 d.C. e mais tarde em 135, Jerusalém foi destruída, as ruas da cidade o foram também. Como resultado, ninguém sabe exatamente qual foi a rota que Jesus seguiu naquela sexta-feira.
          Mas nós sabemos onde começa esse caminho.
          Começa não no tribunal de Pilatos, mas sim nos salões do céu. O Pai iniciou sua jornada quando deixou seu lar para vir em nossa busca. Iniciou a busca armado com nada mais que paixão para ganhar seu coração. Esse é o coração da mensagem cristã. Deus se fez homem. Nasceu em um estábulo comum, de pais comuns, mas seu propósito era extraordinário.
          Veio para nos levar ao céu. Sua morte foi um sacrifício por nossos pecados. Jesus foi nosso substituto. Ele pagou por nossos erros para que nós não tivéssemos que pagar. O desejo de Jesus foi único: trazer seus filhos de volta para casa.
          A Bíblia tem uma palavra para esta busca: reconciliação.
          A palavra grega traduzida como reconciliação quer dizer «fazer algo de uma maneira diferente». A vereda da cruz nos diz exatamente quão longe Deus iria para voltar a juntá-lo todo.
          A reconciliação torna a unir o que está separado, inverte a rebelião, reacende a paixão que se esfriou.
           A reconciliação toca o ombro do extraviado e o põe no caminho para o lar. (LUCADO, Max. Ele Escolheu Você. Rio de Janeiro: CPAD, p 9,10).

QUESTIONÁRIO LIÇÃO 6 - O MINISTÉRIO DA RECONCILIAÇÃO – 1º TRIMESTRE DE 2010 – Elaborado por Jonilson Barros Caldas

ALUNO ______________________________________________
CLASSE __________________________________ NOTA _____


1) Paulo tinha uma segurança absoluta acerca das revelações doutrinárias que havia recebido, por isso, em 2 Co 5.1 começa o texto, dizendo: “Porque sabemos”. Sobre esta confiança doutrinária, é correto afirmar:
A – Não se tratava de experiência pessoal, nem de testemunho humano, nem de intuição. Era o conhecimento que a revelação divina havia produzido em seu coração;
B – Ao falar de morte e ressurreição, Paulo não se baseava em conceitos humanistas, nem filosóficos, mas na revelação divina;
C – A certeza do lar eterno era tão real, mas os sofrimentos e ameaças de morte o intimidavam a proclamar essa verdade aos crentes;
D – Ao falar de morte e ressurreição, Paulo se baseava em conceitos humanistas e filosóficos, e não na revelação divina;
E – A certeza do lar eterno era tão real que os sofrimentos e ameaças de morte não o intimidavam, pelo contrário davam-lhe forças para proclamar essa mesma verdade aos crentes;
F – Tratava-se de uma experiência pessoal, um testemunho humano, uma intuição. Não era o conhecimento que a revelação divina havia produzido em seu coração.

2) O ministério da reconciliação consiste, fundamentalmente, na proclamação da obra expiatória do Senhor Jesus Cristo: uma demonstração de amor por nós. Sabendo-se que o amor de Cristo nos constrange e transforma, compreendemos que a grande motivação do ministério de Paulo era a presença desse amor em sua vida. Concordando com o parágrafo acima, leia as informações abaixo e coloque V para verdadeiro e F, para falso:
(     ) Conforme vemos em 2 Co 5.17, o amor de Cristo, quando aceito, crido e recebido, é o motivo supremo da transformação de nossas vidas;
(     ) Na relação rompida entre Deus e a humanidade, a remoção dos elementos que impediam a sua restauração foi realizada pela expiação;
(    ) A mensagem de reconciliação deve apresentar o perdão em seu sentido mais amplo e restaurar a relação da humanidade com Deus, de forma que esta seja amistosa e correta;
(    ) Reconciliar sugere a ideia de trocar, mudar (a inimizade está sendo trocada por relações pacíficas). Esta expressão diz respeito ao reajuntamento das pessoas que estavam separadas;
(    ) Para que a relação seja reestabelecida, não é necessário remover os fatores que ocasionaram a inimizade;
(    ) A mensagem de reconciliação não deve apresentar em seu sentido mais amplo, mas apenas restaurar a relação da humanidade com Deus.

3) Em se tratando da lição estudada, analisando cada frase de acordo com a revista, assinale a coluna B de acordo com a A:
(A) A doutrina bíblica evidencia                             (    ) o perdão em seu sentido mais amplo, e restaurar a relação da humanidade com Deus
(B) A fé dá ao crente a garantia de                      (    ) não é o Juízo Final, trata-se de um julgamento de realizações em prol da obra de Deus
(C) A expressão “nova criatura” implica em         (     ) que nossos corpos mortais serão revestidos de imortalidade, de incorruptibilidade, e que anelamos por essa transformação
(D) A mensagem de reconciliação deve apresentar    (     ) uma responsabilidade enorme:transmitir a mensagem do Evangelho em sua inteireza , sendo fiel a missão que recebemos do Senhor
(E) Como embaixadores de Deus temos              (    ) que existe um lar celestial pelo qual ele aspira e espera; um lugar que é real, e não aparente
(F) O Tribunal de Cristo, salientamos                (     ) uma nova forma de viver, na qual desaparece a vida pregressa , e os velhos costumes

4) Complete de acordo com a revista:
A mensagem da _________________ não prega o ____________, mas o ____________ do Senhor. Ela é objetiva e _______________, pois consiste em saber que _________ estava em Cristo _________________ consigo o mundo (v.19). Dessa maneira, Deus, por _________________ da obra de ______________ que seu Filho Jesus ____________ realizou no _______________, concedeu ao _______________ uma anistia total (Rm 3.24-26).

5) Relacione de acordo com a leitura diária:
(a) Ef 2.16                 (     ) A reconciliação pela fé
(b) Cl 1.20                 (     ) Vivificados mediante a reconciliação
(c) Hb 2.17                (     ) A reconciliação permite o acesso ao Pai
(d) Rm 3.22               (     ) Reconciliados com Deus pela cruz
(e) Ef 2.18                 (     ) Reconciliados pelo sangue de Jesus
(f) Ef 2.1                    (     ) Reconciliados pela expiação

Questionário elaborado por Jonilson Barros Caldas
O gabarito do questionário pode ser solicitado pelo e-mail: jonilsonb.com.br@hotmail.com
Acesse também o blog da Escola Bíblica Dominical do mesmo autor: http://questionariosebdominical.2u.blog.br/

Nenhum comentário:

Resposta de Deus